6.3.11

FC Porto 2-0 Guimarães: James descomplica mais um jogo

O jogo começou com uma novidade e um lamento. A novidade era a substituição de Otamendi por Maicon, o lamento por não haver casa cheia nem perto disso, o que merece séria reflexão.

Quanto ao jogo propriamente dito, novamente há 2 partes completamente distintas, uma a dormir para na outra acordar forçosamente.
Tal como sucedeu em Olhão, a equipa entrou lenta e previsível, à espera que o golo caísse naturalmente. Em Olhão Hulk tentava furar quase por sua própria conta o adversário, hoje foi muito à conta dos livres e cantos de James, que invariavelmente foram mal aproveitados por Maicon, Varela, Falcao e companhia.

Mais uma vez sentiram-se nervos e pressão na equipa. A ausência de Hulk retirou a referência que muitos têm, passar para ele, que depois decide o que fazer. Varela sentiu essa pressão, não conseguiu ser Hulk, mas também não se escondeu do jogo. Tentou e deu aquilo que lhe era possível.

Belluschi foi das principais desilusões do jogo. Completamente desconcentrado e desastrado, demorou imenso a sair, a sua cabeça não estava ali em campo. E assim as coisas complicam.
Tal como em Olhão a primeira parte foi péssima para Falcao, que não acertava remates, recepções ou passes.

James servia na perfeição os colegas com o seu mágico pé esquerdo, mas ninguém correspondia e assim a penosa primeira parte chegava ao fim, com mais 45 minutos oferecidos de avanço. 

Teria de haver terapia de choque no balneário, exigia-se uma reviravolta na situação como em Olhão, mas desta feita André Villas-Boas não alterou peças ao intervalo.
O Guimarães encostou lá atrás, o Porto ia acelerando mas o tempo ia correndo sem cheirar a golo, cenário que só se alterou após um momento de génio de James complementado pela exímia capacidade finalizadora de Falcao.
Um passe brilhante de desmarcação e um remate indefensável de 2 jogadores brilhantes "made in" Colômbia.

A partir daí, tal como em Olhão, de repente tudo parecial sair bem. Tudo parecia mais fácil, antevia-se que agora ia entrar tudo, tal foi a transformação.
A equipa está a entrar demasiado nervosa em campo, peso que só consegue afastar notoriamente após o primeiro golo, que tem demorado nestes últimos jogos.

Mas a avalanche que se seguiu não foi traduzida em tantos golos como os que se desejariam, o que levou a que nos instantes finais o artista Jorge Sousa tentasse fazer com que o seu patrão lhe desse um prémio especial, o que se faz em pleno Dragão sem qualquer complexo...(isto tem de mudar!!!)

Depois de Rúben Micael falhar um golo isolado, Cristian Rodríguez na mesma situação não perdoou, curiosamente os jogadores que mais têm desiludido esta época na votação que está a decorrer aqui no blogue.

O Guimarães não exigia tanto sofrimento, não há necessidade da equipa entrar sob brasas tão intensas em campo, felizmente a vitória caiu novamente nas mãos de quem mereceu. 


Uruguai-Colômbia
Como podem reparar, está uma bandeira de cada um destes países na imagem do post, nada mais justo.
3 Uruguaios e 3 Colombianos foram a grande base do sucesso desta noite, Álvaro Pereira e Fucile nas laterais mais Cristian Rodríguz na recta final, juntamente com James, Falcao e o "tanque" Guarín também na recta final trouxeram alma, magia e força necessárias para levar de vencida a equipa de Guimarães.

James
Importa reflectir. O puto de 19 anos chegou este ano à Europa, ao País, ao clube.
Até Dezembro pouco ou nada tinha jogado, muitos nem davam pela sua existência, outros fãs conhecedores da sua valia protestavam pelo seu afastamento, a imprensa ia dando conta que o cenário de empréstimo seria a saída inevitável.
James não engana, seria um crime ter tal diamante encostado, a razão estava do lado dos que clamavam pela sua presença na equipa.
É importante recordar estas últimas 2 partidas.
Em Olhão, num jogo quente em ambiente adverso, com a equipa sobre brasas e o cronómetro a correr em velocidade estonteante James entra ao intervalo e assume o jogo. Não foge, não se esconde, não se encosta à linha a testar dribles para o Youtube. 
Pega na bola, delineia jogadas, impõe ritmos. Tenta descortinar qual o colega em melhor posição e faz os impossíveis para o passe sair na perfeição para o colega. Sem ponta de egoísmo nas suas acções.
Está nos 3 golos em Olhão, hoje é ele quem desbloqueia novamente o jogo, quando não há Hulk, quando a equipa está nervosa e a bola "queima" em muitos jogadores maduros.
Uma vénia a este diamante.

Tratem lá de comprar os 70 e tal por cento que anda por aí dispersado, que ter apenas 25% de James é crime, ou devia ser.




Golos:








3 comentários:

Miguel comentou

Mais uma grande exibição do James, o puto promete.

Merece a titularidade em detrimento de Varela na minha opinião.Ganhámos bem sem bem que não fosse necessário tanto sofrimento.

Mais uma vez, AVB bem nas substituições

Abraços

Dragaopentacampeao comentou

Vitória normal da única equipa que jogou com esse objectivo.

Primeira parte que só não teve golos pela ineficácia dos remates portistas, rectificada no segundo tempo, onde Álvaro Pereira, James Rodríguez, Falcao e Guarín sobressaíram pela importância das suas performances na construção de mais uma vitória, a 20ª em 22 jogos, que nos catapulta com mais vigor para a conquista do ambicionado título.

Parabéns para esta equipa e para o seu treinador que esteve particularmente feliz nas substituições.

Um abraço

The Blue Factory of Dreams comentou

Sim, tal como o Varela roubou naturalmente o lugar ao Cebola, o James já justifica a titularidade faz algum tempo.

AVB mais uma vez esteve muito bem, mas não deixa de ser preocupante o facto de não termos PL´s além de Falcao, Walter continua a não contar...

Abraço aos 2 amigos!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Copyright © 2010 The Blue Factory of Dreams | Premium Blogger Templates & Photography Logos | PSD Design by Amuki